• Acompanhe também no Facebook

Sobre a nova escola…

Eis que depois de quase cinco anos na escola dos seus sonhos chega o momento de alçar novos voos. Os pequenos cresceram e já não são tão pequenos, o mundo diante deles precisa se expandir e novas oportunidades, aventuras e desafios precisam nascer. Ok, isso é fato, é lindo e natural. Certo? Sim, mas no coração de pais e mães isso se torna um grande desafio que toma nossos pensamentos, sentimentos e emoções.

O início da maratona se dá timidamente com conversas, pesquisas na internet e as primeiras visitas a novas escolas. Novas escolas? Quais? Grandes, pequenas? Tradicionais, inovadoras? E então um imenso universo se abre diante dos nossos olhos. Pátios imensos, salas de aulas não tão acessíveis (muitas salas de aula!), novos funcionários e professores (Muito novos. Não conheço nenhum deles e ninguém conhece os meus filhos!)… E  aí o olhar se volta para eles: os meus filhos!

Será que eles vão dar conta dessa nova realidade? Que realidade eu quero e espero que eles deem conta e enfrentem? O que é importante para eles e para nós nessa busca? E então, no meio desse movimento sou apresentada a Alike, uma animação curta metragem que me fez perceber que tudo o que eu quero é que meus filhos não percam a cor, nem a alegria e o encantamento de viver e aprender. Fez-me pensar que o ritmo e a frequência com que vivemos, muitas vezes ou quase sempre, nos tira do contato com aquilo que realmente importa.

Nossos filhos cresceram e vão crescer ainda mais, já não são mais movidos simplesmente pelas emoções e pelos instintos, aprendem cada dia mais coisas e se mostram cada dia mais incrivelmente especiais e capazes. Mas não é por isso, por acreditar profundamente na capacidade deles aprenderem e se desenvolverem que temos que atropelar fases. Escolher a melhor escola para o 1º. Ano é escolher a melhor escola para o 1º. Ano. É escolher um lugar que permita que eles continuem sendo crianças e que amadureçam sendo respeitados na sua natureza. Tenho isso muito claro, pois acredito que uma escola que respeite uma criança de 6 anos vai saber respeitar uma de 7, uma de 9, uma de 12 e vai permitir que meus filhos se desenvolvam no ritmo natural, desabrochando como uma fruta que amadurece no pé e não precisa, por ser colhida antes, ser enrolada em um jornal para amadurecer.

Sei, que todos esses desafios: o espaço físico da nova escola, os novos professores e pessoas no convívio deles, as novas amizades que irão surgir, meus filhos darão conta. Sei que eles os farão crescer, se desenvolver e seguir na linda jornada da vida, pois sei que a base, os primeiros degraus dessa escada, foram construídos com muita solidez. E sei, principalmente, que estaremos ao lado deles sempre, em cada momento, os olhando nos olhos, ouvindo suas necessidades e aprendendo com cada um dos seus aprendizados.

Porque ser pai e ser mãe é estar junto, porque ter filhos é ter parceiros para a caminhada da vida… É saber que um abraço no fim do dia devolve nossas cores e nos faz ouvir a música muitas vezes já não mais ouvida!

Andréa Assumpção

Mãe da Yasmin e do Mateus de 5 anos e 9 meses.

Coordenadora Pedagógica da Vila Sofia